HISTÓRICO DA OBRA DO METRÔ LINHA 4-AMARELA

A Linha 4-Amarela do metrô de São Paulo é uma das estações mais movimentadas da metrópole. Conforme pode ser observado na figura 1, a linha que foi inaugurada em junho de 2010, é responsável por pontos importantes da cidade, como as estações Paulista, Faria Lima, Butantã, República, Morumbi, entre outros.


Figura 1: Trajeto da Linha 4-Amarela do Metrô SP. Fonte: Metrô SP


A linha é a única da América Latina a usar o sistema driverless, semelhante a linhas da Dubai, Barcelona e Cingapura [1]. Um importante avanço do transporte público brasileiro, porém convive com uma construção controversa, que culminou em um acidente catastrófico.

As obras foram iniciadas apenas em 2004, devido a inúmeros atrasos em seu planejamento, começou com sondagens rotativas nas fases de projeto básico e projeto executivo, relatadas na figura 2, sendo todas elas verticais e na superfície [2].


Figura 2: Planta detalhando as sondagens do projeto básico e executivo. Fonte: USP


Até o desabamento das obras, nos últimos 22 meses, já haviam sido relatados 10 acidentes, e pelo menos 3 deles foram por conta de erros de engenharia, incluindo o óbito de um funcionário soterrado durante as escavações da Estação Oscar Freire, em junho de 2006 [1].

Na tarde do dia 12 de janeiro de 2007, uma cratera de 80 metros de diâmetro e 32 metros de profundidade engoliu caminhões e carros no local da obra [3]. O desastre estampou as principais capas de jornal do país, como observado na figura 3.


Figura 3: Capa do Estado de S.Paulo de 13/01/2007. Fonte: O Estado de S.Paulo.


Três dias antes do colapso, um afundamento de 20mm foi detectado [4]. Com isso, iniciou a instalação de chumbadores, onde os trabalhos prosseguiram normalmente, e não havia qualquer indício de anormalidade. Porém, no dia do colapso, como pode ser observado na figura 4, desde o primeiro sinal de anormalidade até o colapso completo, passaram apenas 6 minutos [5].


Figura 4: Cronograma de eventos do dia do colapso. Fonte: USP.


A maior tragédia do Metrô SP levou 14 réus para a Justiça de São Paulo. Em outubro de 2016, a decisão foi de que haviam provas que os réus eram inocentes do caso. “Os acusados não tinham como prever o acidente, em razão de todas as circunstâncias apuradas. A execução do projeto de obra estava dentro da normalidade, todas as equipes acompanhavam cuidadosamente cada passo da execução e não apontaram qualquer situação que indicasse a possibilidade de um acidente”, informou a juíza Aparecida Angélica Correia, da 1ª Vara Criminal, responsável pelo caso [6].


REFERÊNCIAS


[1]https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/80-metros-de-diametro-e-7-vitimas-fatais-cratera-do-metro-da-linha-amarela.phtml

[2] Winiawer, José Eduardo Beltrão. "Análise de estabilidade de túneis escavados em meios rochosos: aplicação ao caso do colapso do túnel Estação Pinheiros." (2012).

[3] https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/20070113-41360-nac-1-pri-a1-not

[4] https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/20070113-41360-nac-42-cid-c3-not

[5] Kanji, Milton A. "Avaliação de sinistros e do risco em obras geotécnicas-Conceitos e alguns exemplos."

[6] https://www.cartacapital.com.br/sociedade/justica-inocenta-14-reus-por-cratera-que-matou-7-no-metro-paulista/